Exit

Veja algumas dicas para esta estação que está chegando que são indispensáveis para o cuidado de seu cachorro no verão.
Os animais, assim como nós, podem ter problemas com o excesso de calor ou exposição ao sol. Por isso, é muito importante tomar alguns cuidados sobre o manejo, o ambiente e a alimentação deles para evitar insolações, desidratação e até diversos tipos de mal súbito.

Hora do Passeio

De modo geral, devemos sempre priorizar os momentos de exposição ao sol e principalmente de passeio em horários de menor incidência solar (evitar o sol das 11 às 15h pelo menos), especialmente para realização de atividades intensas.

Animais Idosos

Animais mais idosos, com pelagem muito densa e obesos tendem a sofrer mais com o calor e, por isso, toleram menos o exercício nos horários de maior temperatura.

Braquicefálicos (raças de focinho curto e/ou achatado)

Estes cães possuem naturalmente maior dificuldade de respirar e muitos tendem a ser gordinhos, por isso é importante ter atenção especial com eles, pois, além de sofrerem mais com o calor, podem ter desmaios e até paradas cardiorrespiratórias devido ao excesso de esforço.

Pelagem branca e pele clara

Animais com essa pelagem são muito mais suscetíveis a desenvolver queimaduras solares e dermatites fotossensíveis, por isso devem se expor ao sol somente nos horários mais brandos e por pouco tempo.

Pátio com sombra

Se o animal vive em pátio, é importante conferir se existem locais que forneçam sombra durante o dia todo, pois, com o passar das horas, sabemos que a incidência solar se desloca e pode haver momentos sem sombra.

Reveja a casinha

A casinha ou canil deve ter um material adequado e que não potencialize o calor com a incidência solar, em algumas casinhas, a temperatura no interior é mais elevada que o ambiente. Importante lembrar que a casinha não deve estar no sol, e não ser a única fonte de sombra para o animal.

Água e mais água

Os bebedouros e comedouros devem ficar na sombra sempre, e o ideal é que a água seja verificada e trocada mais vezes ao dia. Ofereça sempre água fresca, pois além de esquentar mais rápido, os animais acabam tomando mais em função do calor. Uma dica legal é colocar cubos de gelo nas vasilhas de água, pois os cães geralmente gostam de brincar e a água fica geladinha por mais tempo.

Alimentação

Priorize o manejo alimentar com tempo controlado, em que o alimento não fique totalmente à disposição. Dietas caseiras ou alimento comercial úmido estragam mais rápido e a exposição à temperatura ambiente (especialmente no verão) acelera ainda mais o processo, criando um ambiente mais favorável para a proliferação de bactérias que podem causar problemas gastrointestinais. As rações secas, apesar de se manterem conservadas por mais tempo, atraem insetos, roedores e outras pragas (que se reproduzem muito mais em épocas de calor) e podem transmitir doenças.

Ectoparasitos

No verão, as pulgas e carrapatos se multiplicam de forma intensa e, por isso, é muito importante fazer a manutenção dos antipulgas e carrapaticidas com maior frequência, sempre respeitando o período de maior eficiência do produto escolhido. As pipetas e a grande maioria dos comprimidos garantem proteção por até 30 dias, garanta a proteção mensal. Já algumas coleiras, de marcas confiáveis, podem proteger de 4 a 8 meses, dependendo do fabricante. Porém, alguns produtos protegem somente contra pulgas, outros contra pulgas e carrapatos e outros ainda também são repelentes para mosquitos, o que auxilia na prevenção da Leishmaniose e também no bem-estar de cães alérgicos a picadas desses insetos. O ideal é conversar com um veterinário para escolher o produto ideal para cada cão/situação.

Dicas para o dia a dia:

Teste a temperatura

Quando for passear com o seu cãozinho, mesmo em horários adequados, encoste a palma da mão no chão em que o cão vai caminhar para testar a temperatura. Muitos cães sofrem queimaduras nos coxins das patinhas durante os passeios.

Sua própria garrafinha de água

Leve sempre uma garrafinha de água para o cão que, além de prevenir a desidratação, evita que o cão beba águas paradas em parques ou “cachorródromos”, pois no calor também aumentam as chances de transmissão de verminoses e de giárdia (parasita que fica na água e causa diarreia).

Seu cãozinho tem seus próprios limites

Respeite os limites de cada animal e fique atento aos sinais de esgotamento: cansaço excessivo, relutância ao passeio, deitar no meio da caminhada, falta de ar, ofego exagerado, salivação excessiva.

Bônus Amipet:

Utilize a água do cozimento de carnes e/ou legumes (alimentos que o cão goste) sem temperos, para fazer cubos de gelo saborizados, eles adoram ficar lambendo e ajuda a refrescar. Pode até colocar pequenos pedacinhos de carne dentro!

Comentários

comentários

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Go top